Microsoft incentiva professores a usarem o Minecraft para ensinar

minecraft-in-education

Talvez seja devido ao apelo que o jogo tem com as crianças, talvez seja pela liberdade que ele oferece, mas o fato é que se existe um jogo que pode servir como uma bela ferramenta de apoio para o ensino, é o Minecraft.

De vez em quando ficamos sabendo de algum projeto que aproveita a criação de Markus “Notch” Persson para ensinar a molecada e percebendo esse potencial, a Microsoft decidiu incentivar os professores a adotarem o sandbox.

Para isso a gigante de Redmond lançou o Minecraft in Education, uma espécie de comunidade onde os educadores poderão compartilhar ideias e conhecer maneiras de aproveitar o jogo em suas salas de aula, e de acordo com a Microsoft, a inspiração para o projeto veio da própria comunidade.

“Muitas das partes mais divertidas do Minecraft, incluindo a colaborativa natureza de jogar, a necessidade de experimento, o mundo aberto, a obtenção de conquistas e o amadurecimento dos personagens dos jogadores, assim como seu conjunto de habilidades pessoais, são essenciais para excelentes ambientes de aprendizagem,” defendeu a empresa no Tumblr sobre a iniciativa.

Com o jogo podendo ser utilizado para ajudar no ensino de matérias como matemática, computação, física, geografia, história e muitas outras, os responsáveis pelo projeto afirmam ainda que uma das melhores qualidades do Minecraft é permitir que os professores presenciem a evolução dos alunos enquanto eles colaboram entre si para solucionar problemas, adquirindo sentido de liderança e socialização.

Como sempre defenderei a utilização dos games para esse fim, torço muito para que os educadores abracem a ideia e logo o site se transforme numa ótima fonte de inspiração, contando com várias experiências bem sucedidas e até modelos que possam ser aproveitados gratuitamente.

Uma dúvida sincera que tenho é: se fosse adotado em escolas brasileiras — assim como aconteceu na Irlanda do Norte—, será que a utilização do Minecraft na sala de aula seria bem aceita pelos pais?

Finalista da viagem só de ida para Marte acusa: “É uma farsa”

MarteA organização Mars One foi criada pelo holandês Bas Lansdorp com um principal objetivo: enviar uma equipe de exploradores espaciais para Marte para colonizar o planeta. Um projeto ambicioso que recebeu milhares de candidatos interessados em ganhar uma viagem só de ida para Marte.

Um dos finalistas descreve agora tudo como uma “autêntica farsa”. Em declarações à revista Matter, Joseph Roche, disse que os selecionados ganham pontos para passar nas fases seguintes de forma aleatória e sem qualquer sistema de ranking. “A única maneira de conseguir ganhar pontos é comprando mercadorias [necessárias para levar na viagem até Marte] ou doando dinheiro”, frisou.

Doutorado em física e astrofísica, Roche classificou de “duvidosas” as formas como os responsáveis pelo projeto estão a arrecadar o financiamento que precisam para levar a cabo a expedição, que custará uns estimados 6 mil milhões de dólares.

O fundador da Mars One, Bas Lansdorp, já tinha referido anteriormente que o financiamento vive de doações por empresas privadas e outras companhias que subscreveram a campanha. No entanto, Roche tem uma opinião completamente contrária: “Os candidatos receberam, em fevereiro, uma lista de dicas e truques para lidar com as solicitações dos órgãos de comunicação social. Se os candidatos fossem pagos para dar uma entrevistas, a Mars One elucidava os candidatos a doarem “gentilmente” 75% do lucro arrecadado para o projeto”, contou.

O processo de seleção não escapou às duras críticas do professor que esperava vários dias de entrevistas, treinos e testes. Em declarações à revista Matter, Roche confessou que, no final das contas, o resultado foi uma única chamada de 10 minutos pelo Skype.

A primeira fase começa em 2018 através de uma missão exploratória. Dois anos depois, prevê-se o envio de um veículo espacial não-tripulado a Marte para estudar as condições, o ambiente e outros elementos do local. Em 2022 serão enviados robôs para garantir a sobrevivência dos colonizadores que serão enviados em 2024, numa viagem que, se for avante, vai marcar a primeira ida de seres humanos para Marte. Posteriormente serão enviados, de dois em dois anos, quatro pessoas para irem compondo o painel dos colonizadores em Marte.

Partícula descoberta no Cern é o Bóson de Higgs

acelerador de particulasPara os apreciadores da Física e de novas tecnologias é importante saber que os Físicos do Cern afirmaram em uma conferência que não há mais dúvidas que a partícula descoberta é o Bóson de Higs, denominada por muitos de  ‘partícula de Deus’. Ela apareceu com a colisão de prótons registrada no CMS em 2011. Da análise dos dados foi confirmada a descoberta do Bóson de Higgs. A dúvida da existência dela acabou: os físicos do Centro Europeu de Pesquisa Nuclear (na sigla em francês, Cern) anunciaram na quinta-feira, 14 de março de 2013, que após extensa análise de dados a partícula subatômica descoberta em julho de 2012 é realmente o Bóson de Higgs, previsto em teoria em 1964. É considerado uma das peças fundamentais de formação do Universo.

A partícula, conhecida popularmente como partícula de Deus, faz parte do mecanismo que dá massa a toda a matéria, e ganhou seu nome por causa de Peter Higgs , um dos físicos que postularam sua existência.

Relembrando: os cientistas do Cern anunciaram a descoberta de uma partícula ‘parecida com o Higgs’, mas não chegaram a confirmar que se tratava do Bóson com 100% de certeza. Porém, hoje os físicos anunciaram em comunicado no Congresso de Física nos Alpes italianos, após um análise cuidadosa de um ano de dados produzidos pelo Grande Colisor de Hádrons (na sigla em inglês, LHC) que sim, trata-se mesmo do Bóson.

Inclusive o professor de Harvard explica o que é o bóson de Higgs e como ele afeta a Física? “Para mim está claro que estamos lidando com um bóson de Higgs, embora tenhamos ainda um caminho longo até saber que tipo de bóson ele é,” disse Joe Incandela, físico que chefia uma das duas equipes do Cern que lidam com o tema, cada uma com cerca de 3.000 cientistas.

A existência do Bóson confirma a teoria de que os objetos ganham seu tamanho e forma quando seus átomos e elétrons interagem em um campo de energia que contém bósons de Higgs. Quanto mais eles atraem esse campo, maior sua massa vai ser, de acordo com a teoria.

Assim, por enquanto, está estabelecido que o Bóson de Higgs existe, de alguma forma.

A confirmação coloca o Bóson de Higgs, seus teóricos e descobridores como concorrentes fortes ao Nobel de Física deste ano, mas ainda não se saberia se ele iria apenas para Peter Higgs e seus colegas proponentes da teoria, ou para os milhares de cientistas do Cern, ou se para todos eles.