Finalista da viagem só de ida para Marte acusa: “É uma farsa”

MarteA organização Mars One foi criada pelo holandês Bas Lansdorp com um principal objetivo: enviar uma equipe de exploradores espaciais para Marte para colonizar o planeta. Um projeto ambicioso que recebeu milhares de candidatos interessados em ganhar uma viagem só de ida para Marte.

Um dos finalistas descreve agora tudo como uma “autêntica farsa”. Em declarações à revista Matter, Joseph Roche, disse que os selecionados ganham pontos para passar nas fases seguintes de forma aleatória e sem qualquer sistema de ranking. “A única maneira de conseguir ganhar pontos é comprando mercadorias [necessárias para levar na viagem até Marte] ou doando dinheiro”, frisou.

Doutorado em física e astrofísica, Roche classificou de “duvidosas” as formas como os responsáveis pelo projeto estão a arrecadar o financiamento que precisam para levar a cabo a expedição, que custará uns estimados 6 mil milhões de dólares.

O fundador da Mars One, Bas Lansdorp, já tinha referido anteriormente que o financiamento vive de doações por empresas privadas e outras companhias que subscreveram a campanha. No entanto, Roche tem uma opinião completamente contrária: “Os candidatos receberam, em fevereiro, uma lista de dicas e truques para lidar com as solicitações dos órgãos de comunicação social. Se os candidatos fossem pagos para dar uma entrevistas, a Mars One elucidava os candidatos a doarem “gentilmente” 75% do lucro arrecadado para o projeto”, contou.

O processo de seleção não escapou às duras críticas do professor que esperava vários dias de entrevistas, treinos e testes. Em declarações à revista Matter, Roche confessou que, no final das contas, o resultado foi uma única chamada de 10 minutos pelo Skype.

A primeira fase começa em 2018 através de uma missão exploratória. Dois anos depois, prevê-se o envio de um veículo espacial não-tripulado a Marte para estudar as condições, o ambiente e outros elementos do local. Em 2022 serão enviados robôs para garantir a sobrevivência dos colonizadores que serão enviados em 2024, numa viagem que, se for avante, vai marcar a primeira ida de seres humanos para Marte. Posteriormente serão enviados, de dois em dois anos, quatro pessoas para irem compondo o painel dos colonizadores em Marte.

Projeto Marte: voluntários do Mars One ficarão isolados do mundo durante 1 ano.

projeto_mars_oneFinalmente o homem deve dar início ao sonho de explorar o Universo, verdadeiramente. Voluntários da expedição Mars One já se preparam para o planeta vermelho. A viagem a Marte já é uma realidade. Para atualizar aquele que não sabe sobre o assunto deixamos algumas informações sobre essa exploração: a Mars One é uma organização holandesa sem fins lucrativos que planeja enviar à Marte um grupo de terráqueos com apenas uma passagem de ida.

Agora, alguns participantes dessa ideia ousada darão início a uma parte importante do projeto, a missão “Mars Arctic 365”. De acordo com o site Space, seis voluntários vão passar um ano inteiro isolados do resto do mundo, vivendo em uma estação de pesquisa na Ilha Devon, no Canadá. O local fica a 1.450 quilômetros do Polo Norte e a simulação começará em julho de 2014.
Assim como os astronautas, os membros da tripulação farão experimentos para simular a vida em Marte. Os testes incluem estudos geológicos da área, coleta de amostras de materiais e relatórios científicos relevantes para a exploração humana no planeta vizinho à Terra. É quase uma prova de fogo para determinar se o ser humano está mesmo preparado para habitar outros locais do espaço.
A Mars One afirma que qualquer pessoa pode se candidatar para participar dessa missão, mas conhecimento em áreas como engenharia e geologia contam como pontos positivos. Os interessados devem se inscrever até o dia 30 de novembro através de um formulário por e-mail. Todas as informações estão no site oficial do projeto (em inglês).

O empreendedor holandês Bas Lansdorp fundou a Mars One em junho de 2012. Diz ser uma organização sem fins lucrativos que levará a humanidade à Marte em 2023, para estabelecer uma base permanente onde todos iremos prosperar, crescer e aprender. A expectativa é que a partir de 2023, 24 colonizadores já estejam habitando definitivamente o planeta.

Mais de 200 mil pessoas de 140 países se inscreveram para fazer parte do grupo de primeiros colonizadores de Marte em uma viagem sem volta. O maior grupo de interessados vem dos Estados Unidos, com 24% das inscrições, que começaram em abril. O projeto tem custo de US$ 6 bilhões (R$ 13,7 bilhões) e recebeu patrocínio de diversas empresas europeias e norte-americanas das áreas de engenharia, tecnologia e outras, além do apoio do vencedor do Prêmio Nobel de Física de 1999, o físico holandês Gerard ‘t Hooft.

Diversamente dos astronautas profissionais, que treinam durante vários anos antes de saírem da Terra, os candidatos ao projeto Mars One só cumprirão alguns pré-requisitos bem genéricos, como ser fluente em alguma das onze línguas mais faladas do mundo (além do inglês, que será a língua oficial da colônia), ser uma pessoa adaptável, resistente, criativa, habilidosa e capaz de confiar nos outros.

Existem cerca de 10 mil brasileiros interessados em colonizar o planeta vermelho (pelo menos 5% do número total de inscritos). Eles são candidatos a viver em cápsulas especiais feitas para suportar as condições climáticas de Marte, uma atmosfera composta principalmente por dióxido de carbono e temperatura média de -63º C.