Cientistas descobrem maior sistema solar do universo

planeta-maior-que-Jupiter
Planeta: ao longo das investigações, a equipe descobriu que o planeta tem massa 12 vezes superior à de Júpiter e orbita ao redor de uma estrela anã

Um grupo de cientistas descobriu o maior sistema solar do universo conhecido, formado apenas por um planeta e uma estrela – separados por bilhões de quilômetros de distância. As informações são de fontes acadêmicas da Universidade Nacional Australiana.

“Surpreendeu-nos muito encontrar um objeto de massa baixa [o planeta] tão longe da sua estrela mãe”, comentou Simon Murphy, da Faculdade de Astronomia e Astrofísica da universidade australiana.

Esta faculdade conta com uma equipe internacional de investigadores que estudam o planeta, conhecido como 2MASS J2126-8140.

Ao longo das investigações, a equipe descobriu que o planeta tem massa 12 vezes superior à de Júpiter e orbita ao redor de uma estrela anã chamada TYC 9486-927-1.

Os dois corpos estão separados por uma distância equivalente a 6,9 mil unidades astronômicas, ou seja, 0,1 ano luz ou um trilhão de quilômetros, segundo um comunicado da Universidade Nacional Australiana.

Esta distância é “aproximadamente três vezes superior” à do que era considerado, até agora, o maior sistema solar existente.

Juiz da Lava Jato diz que empreiteiros presos tentam interferir nas investigações

Sergio MoroO juiz federal Sérgio Moro, responsável pelos processos da Operação Lava Jato, negou o pedido de liberdade dos empreiteiros Ricardo Ribeiro Pessoa, da UTC, Eduardo Hermínio Leite, Dalton dos Santos Avancini e José Ricardo Auler, da Camargo Corrêa, alegando que eles têm tentado interferir nas investigações. Segundo Moro, a eventual soltura dos empresários “colocaria em risco a ordem pública, risco à instrução, à aplicação da lei penal e à integridade da Justiça”.

Moro ressalta que o pagamento de propina pelas empreiteiras investigadas pela Polícia Federal e o Ministério Público foi mantido após o início da operação. “Necessário, infelizmente, advertir com o remédio amargo as empreiteiras de que essa forma de fazer negócios com a administração pública não é mais aceitável – nunca foi, na expectativa de que abandonem tais práticas criminosas. Então a prisão preventiva é necessária para preservar a ordem pública, prevenindo a reiteração e continuidade dos crimes, diante da constatação de sua duração por anos, a sua atualidade e a habitualidade criminosa”, alegou Moro no despacho.

O juiz disse ainda que a tentativa dos acusados e das empreiteiras de ganhar apoio político para se beneficiarem no processo judicial “já é reprovável”. Ele acrescentou que “as aludidas tentativas de cooptação de testemunhas”, demonstram a necessidade de se manter a prisão preventiva para garantir a instrução e a aplicação da lei e preservar a integridade da Justiça “contra a interferência do poder econômico”.

Sérgio Moro qualificou de “intolerável” e “total desvirtuamento do devido processo legal”, que “emissários” das empreiteiras busquem apoio de políticos para tentar favorecer os empresários presos.

Ninguém tem direito de substituir “God”

eduardo-cardozoO ministro da Justiça resolveu que as empreiteiras das investigações da Lava-Jato não precisam se preocupar. Acontecerá um milagre logo depois do Carnaval.

Parece que José Eduardo Cardozo em seu encontro com o advogado Sérgio Renault, que tem contrato com a UTC e trabalhou com Thomaz Bastos no governo Lula adiantou que o PT tomará providências para enterrar as investigações.

Muito simples, o PT ainda não entendeu ou aceitou que a JUSTIÇA (sim, com letras garrafais) precisa ser feita, para que o Brasil tenha um mínimo de respeito diante de si mesmo, de seu povo e do mundo.

As empreiteiras gostaram do resultado da reunião. Lógico, o ministro, em desrespeito às normas jurídicas e ao processo judicial já adiantou um resultado. Agora, pelo que se depreende, o Brasil virou faroeste. Um país sem lei, onde qualquer um pode fazer qualquer coisa porque os dirigentes sempre encontrarão uma forma de anular o ato que os desagrada.

Com a morte de “God” (ex-ministro Márcio Thomaz Bastos) no ano passado, o PT perdeu o jurista que dava “nó em pingo d’água”, quando vinham à tona os segredos do Palácio. “God” sempre encontrava uma forma de defesa para os momentos de crise. Ele tinha uma meta clara: livrar seus clientes de penas pesadas na Justiça e, de quebra, o governo petista da acusação de patrocinar um novo esquema de corrupção para remunerar sua base aliada no Congresso.

Porém, agora nem Deus está do lado do PT, para convencer o Ministério Público Federal que a roubalheira na Petrobrás não passa de cartel entre empresas e deveria, sim, ser punido com o pagamento de multa bilionária. Desta forma o PT sairia mais uma vez ileso de sua responsabilidade, assim como o responsável pelo cargo máximo do País.

Ocorre que o governo não tem mais “God” para recorrer. Então o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo resolveu assumir o papel de Márcio Thomaz Bastos, o “God” do PT.

Visando uma vaga de ministro no Supremo Tribunal Federal (STF), Cardozo tentou ser “God” e acalmar as construtoras acusadas de envolvimento no petróleo. As empresas resolveram implicar a presidente Dilma Rousseff e o antecessor Lula no caso de não serem socorridas. Neste ponto o novo “God” recebeu em seu gabinete, em Brasília, o advogado Sérgio Renault, defensor da UTC, que estava acompanhado do ex-deputado petista Sigmaringa Seixas e deu o sopro divino da esperança para políticos e empresários acusados de se beneficiar do dinheiro desviado da Petrobrás.

Na reunião, que não constou da agenda oficial, o novo “God” Cardozo disse a Renault que a Operação Lava-Jato mudaria de rumo radicalmente, aliviando as agruras dos suspeitos de crimes como corrupção e lavagem de dinheiro. O novo “God” afirmou ainda que as investigações do caso envolveriam nomes de oposicionistas, o que, segundo a tradição da política nacional, facilitaria a costura de um acordo para que todos se safem. Depois disso, desaconselhou a UTC a fechar um acordo de delação premiada. Era tudo o que os seguidores queriam ouvir. Para defender a UTC, segundo documentos apreendidos pela polícia, o escritório de Renault receberá 2 milhões de reais. Além disso, se conseguir anular as provas e as delações premiadas que complicam a vida de seu cliente, amealharia mais 1,5 milhão de reais. Renault esgrime a tese de que a Lava-jato está apinhada de irregularidades, como a coação de investigados. No encontro, “God” Cardozo disse o mesmo ao advogado, ecoando uma análise jurídica repetida como mantra pelos líderes petistas.

Depois da reunião no ministério, representantes de UTC e Camargo Corrêa recuaram nas conversas com o Ministério Público para um acordo de delação premiada. A OAS manteve-se distante da mesa de negociação. “Na quarta-feira (um dia depois do encontro em Brasília), fomos orientados a suspender as conversas com os procuradores”, confidencia um dos advogados do caso. O novo deus não operou esse milagre sozinho. Mas parece que no panteão do PT existe um “God” maior denominado Lula, que entrará para valer no caso e assumirá a linha de frente. Isso aumentou a esperança dos seguidores, porque a este Deus o governo respeita e admira, mais que tudo e não deixará as empresas sem o seu milagre maior.

Será que o Ministério Público Federal e o Supremo Tribunal ouvirão suas consciências ou preferirão ouvir o Grande “God”?