Cientistas descobrem maior sistema solar do universo

planeta-maior-que-Jupiter
Planeta: ao longo das investigações, a equipe descobriu que o planeta tem massa 12 vezes superior à de Júpiter e orbita ao redor de uma estrela anã

Um grupo de cientistas descobriu o maior sistema solar do universo conhecido, formado apenas por um planeta e uma estrela – separados por bilhões de quilômetros de distância. As informações são de fontes acadêmicas da Universidade Nacional Australiana.

“Surpreendeu-nos muito encontrar um objeto de massa baixa [o planeta] tão longe da sua estrela mãe”, comentou Simon Murphy, da Faculdade de Astronomia e Astrofísica da universidade australiana.

Esta faculdade conta com uma equipe internacional de investigadores que estudam o planeta, conhecido como 2MASS J2126-8140.

Ao longo das investigações, a equipe descobriu que o planeta tem massa 12 vezes superior à de Júpiter e orbita ao redor de uma estrela anã chamada TYC 9486-927-1.

Os dois corpos estão separados por uma distância equivalente a 6,9 mil unidades astronômicas, ou seja, 0,1 ano luz ou um trilhão de quilômetros, segundo um comunicado da Universidade Nacional Australiana.

Esta distância é “aproximadamente três vezes superior” à do que era considerado, até agora, o maior sistema solar existente.

Finalista da viagem só de ida para Marte acusa: “É uma farsa”

MarteA organização Mars One foi criada pelo holandês Bas Lansdorp com um principal objetivo: enviar uma equipe de exploradores espaciais para Marte para colonizar o planeta. Um projeto ambicioso que recebeu milhares de candidatos interessados em ganhar uma viagem só de ida para Marte.

Um dos finalistas descreve agora tudo como uma “autêntica farsa”. Em declarações à revista Matter, Joseph Roche, disse que os selecionados ganham pontos para passar nas fases seguintes de forma aleatória e sem qualquer sistema de ranking. “A única maneira de conseguir ganhar pontos é comprando mercadorias [necessárias para levar na viagem até Marte] ou doando dinheiro”, frisou.

Doutorado em física e astrofísica, Roche classificou de “duvidosas” as formas como os responsáveis pelo projeto estão a arrecadar o financiamento que precisam para levar a cabo a expedição, que custará uns estimados 6 mil milhões de dólares.

O fundador da Mars One, Bas Lansdorp, já tinha referido anteriormente que o financiamento vive de doações por empresas privadas e outras companhias que subscreveram a campanha. No entanto, Roche tem uma opinião completamente contrária: “Os candidatos receberam, em fevereiro, uma lista de dicas e truques para lidar com as solicitações dos órgãos de comunicação social. Se os candidatos fossem pagos para dar uma entrevistas, a Mars One elucidava os candidatos a doarem “gentilmente” 75% do lucro arrecadado para o projeto”, contou.

O processo de seleção não escapou às duras críticas do professor que esperava vários dias de entrevistas, treinos e testes. Em declarações à revista Matter, Roche confessou que, no final das contas, o resultado foi uma única chamada de 10 minutos pelo Skype.

A primeira fase começa em 2018 através de uma missão exploratória. Dois anos depois, prevê-se o envio de um veículo espacial não-tripulado a Marte para estudar as condições, o ambiente e outros elementos do local. Em 2022 serão enviados robôs para garantir a sobrevivência dos colonizadores que serão enviados em 2024, numa viagem que, se for avante, vai marcar a primeira ida de seres humanos para Marte. Posteriormente serão enviados, de dois em dois anos, quatro pessoas para irem compondo o painel dos colonizadores em Marte.

Estrela que pode ser diamante foi descoberta no Universo

estrela-de-diamanteEstrelas são formadas por carbono e oxigênio, assim sua temperatura é extremamente fria . Os astrônomos acreditam que o carbono foi cristalizado, formando um diamante gigante do tamanho do planeta Terra.

Os cientistas e astrônomos ficaram animados com a descoberta dessa estrela de diamante  Um artigo sobre a descoberta foi publicado na revista Astrophysical Journal.

É a estrela do tipo  estrela anã branca mais fria e com o brilho mais fraco já identificada. Esse tipo de estrela costuma ter o tamanho da Terra e está em seu estágio final. Quando ocorre esse resfriamento intenso caracteriza-se a proximidade da morte. Desta forma, elas esfriam e desaparecem, em um processo que pode demorar bilhões de anos.

Essa estrela está no sistema binário PSR J2222-0137 composto por ela e por um pulsar, ou seja, uma estrela de nêutrons extremamente densa que gira em altíssima velocidade.

Os astrônomos descobriram esse diamante gigante a partir de observações feitas em instrumentos do Observatório Nacional de Radioastronomia (NRAO) e em outros observatórios.

Primeiro, eles identificaram um pulsar. Ele girava 30 vezes por segundo e estava gravitacionalmente ligado a um segundo corpo celeste, a anã branca. Cálculos determinaram a distância do sistema em relação ao planeta Terra, que é de 900 anos-luz.

Os cálculos dos cientistas também indicam que o pulsar tem uma massa 1,2 vez maior que a do Sol.

Já a estrela de diamante tem uma massa 1,05 vez maior do que a do Sol, condensada em um diâmetro parecido com o da Terra.  Conforme os pesquisadores, outras estrelas desse tipo já foram identificadas no Universo .Mas sua detecção é extremamente rara, pois elas têm um brilho muito fraco.

Por serem comuns, resta a esperança de que uma dessas estrelas seja encontrada mais perto da Terra para se precisar se são feitas de diamante efetivamente.